O Bar da Capivara – As memórias etílicas de uma capivara levemente alcoolizada – Wursteria – T1E25

Salve, salve minhas lindas e doces capivaras boemias.

O paladino da boemia está chegando com mais uma coluna bar da capivara.

As memórias etílicas de uma capivara levemente alcoolizada vão nos levar para a Tijuca, mais precisamente para a Rua Uruguai, que está virando um pólo de restaurantes e bares na região.

Vamos falar de uma pequena joia, aberta a menos de um ano, mas que já vem conquistando o seu espaço de forma brilhante.

Hoje é dia de Wursteria Tijuca.

Estive na casa, pela primeira vez, a algumas semanas atrás e confesso que estava bem curioso com o que iria encontrar.

Diversas pessoas já haviam me perguntando desse bar e eu ainda não havia estado lá.

Para falar a verdade, nem sabia que o Wursteria havia sido aberto. Meu itinerário na rua Uruguai parava na esquina do Bar do Momo, pegava no máximo a avenida Maracanã para voltar de táxi para casa quando as minhas pernas já não me  aguentavam mais.

Resolvi conhecer a casa em uma sexta feira à noite.

Cheguei já próximo do fim do expediente e para minha surpresa (na verdade a primeira de algumas surpresas durante a noite) a casa estava lotada.

Tanto a parte interna, quanto as mesas na calçada.

Felizmente, rapidamente uma mesa vagou e pude começar a minha experiência gastronômica.

Para começar os trabalhos, minha companheira nessa aventura pediu uma porção de Falafel, que é um bolinho de grão de bico, com chucrute como entrada e o mate da casa e um chá gelado, como bebida.

O bolinho estava uma delícia, olha que eu nem sou muito fã de grão de bico. Bem crocante por fora e bem macio por dentro. (segunda surpresa da noite)

O mate da casa é bem saboroso. Pedi um spritzer com capim limão e gengibre que estava bem refrescante.

Como a fome era grande, resolvemos pedir um segundo prato.

Vou te falar, fiquei em uma dúvida grande pois os cachorros-quentes e os hambúrgueres da casa são sinistros.

Ficava olhando para as mesas vizinhas e literalmente babava pelos sanduíches que estavam sendo servidos.

Já estava me decidindo pelo cachorro quente quando achei algo no cardápio que me saltou aos olhos.

Menu degustação de linguiça, com 5 tipos de linguiça, picles e três tipos de molho. (terceira surpresa da noite)

Para beber, tive que pedir uma cerveja alemã, fomos de Wieninger PHD.

Sabe aqueles momentos em  que você sente um orgulho próprio danado, por saber que fez a coisa certa?

Então, foi isso o que aconteceu, melhor pedido do ano até aqui disparado, concorrendo a melhor pedido da década.

Estava uma verdadeira obra-prima e acompanhada por uma Wieninger, vira uma verdadeira covardia.

Lembrando que as linguiças são produzidas pela própria casa, assim como as salsichas.

Posso dizer que a minha visita ao Wursteria foi perfeita, fiquei muito contente de ver uma casa dessa qualidade na zona norte. Isso é muito bom.

Para não dizer tudo foram flores, me amarrei em uma camisa que estava exposta para venda mas infelizmente, não tinha no meu tamanho.

Quem manda fazer coluna sobre bares, agora ficou mais redondo. Tá achando que a vida é fácil, gordinho.

Agora falando sério, eu recomendo muito o Wursteria, ótima pedida para esse fim de ano.

Seu Editor-chefe, tasca um selo bacana de qualidade aí !!!!!

 

 

Wursteria – Cozinha Urbana

Rua Uruguai, 397 – Tijuca

Tel: 21 98805-0827

https://www.facebook.com/wursteria/

www.instagram.com/wursteria

 

 

 

Pessoal, eu vou ficando por aqui.

Até o próximo Bar da Capivara.

Se tiver alguma sugestão, reclamação, observação, recado ou apenas quer me convidar para um chopinho, fique à vontade para usar a caixa de comentários no fim da página.

Um beijão do Paladino

 

 

Marcelo Soido Paz

@marcelosoidopaz_

@acapivaradeucria

#paladinodaboemia

#bardacapivara

#capinight

#acapivaradeucria

www.acapivaradeucria.com.br

https://www.facebook.com/capivaradeucria

https://www.instagram.com/acapivaradeucria/

https://www.youtube.com/channel/UCmCLEvuxICD-NqwOP8Zo43w?view_as=subscriber

 

capinight

Eu, o paladino da boemia, sou carioca, solteiro, taurino, flamenguista, espírita, quarentão, compositor de samba enredo e agora colunista. Morador de Vila Isabel, mas com o Grajaú eternamente no coração, jura trazer para todas as capivaras queridas as melhores boas da noite e aquelas resenhas esperta sobre bares e festas. Vem comigo, que no caminho eu explico !!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.