Trilhas Sonoras

Músicas são histórias. Referências de momentos, sensações, sentidos. A música é a arte que se associa mais facilmente com situações cotidianas. Até mesmo num ônibus lotado ou numa tragédia é possível identificar alguma música que seja condizente ao momento. Mas há aquelas inesquecíveis positivamente, que sempre trazem de volta os bons momentos, as essências e as memórias. Capivarock falará hoje sobre trilhas sonoras que fizeram história!

Chamadas de soundtrack em inglês, as trilhas sonoras referem-se a uma sequência de músicas gravadas associadas a imagens que podem fazer parte de filmes, programas de TV, comerciais, videogames, desenhos animados e até de nossas vidas. Música é uma das grandes armas para que a memória humana seja ativada/reativada e um conjunto de músicas que remetem a situações vividas pode se chamar de “trilha sonora de sua vida” –  já até existiu uma banda com este nome (The Soundtrack of Our Lives, banda sueca). Relatando momentos históricos, o Brasil talvez tenha sido um dos países que mais trabalhou e comercializou trilhas sonoras. É fácil lembrar que as novelas da TV sempre geravam álbuns com suas trilhas sonoras – nacional e internacional – facilitando inclusive a vida das pessoas em termos de consumo. As trilhas sonoras das novelas serviam para você ter uma junção de músicas em apenas um álbum ao invés de comprar o álbum do artista que poderiam ter poucas músicas que você gostava. Elas eram pontuais no que dizia respeito aos hits radiofônicos (principal veículo de comunicação musical de décadas atrás) que eram sempre sucessos comerciais. É claro que as gravadoras abençoavam/autorizavam esta prática, ninguém joga para perder pois poderia impulsionar a venda dos álbuns de seus artistas. Quantas festinhas na adolescência tinham suas trilhas sonoras baseadas apenas em discos de novelas? Muito se fala nas ditas “músicas boas” (um eufemismo para músicas românticas antigas de sucesso), elas eram as que compunham a maior parte destes álbuns. Uma das trilhas sonoras internacionais de novelas que vem à minha cabeça é d’”A Gata Comeu”, de 1985. A quantidade de músicas em evidência à época inclui este álbum como uma das trilhas sonoras clássicas na história.

“A Gata Comeu” Internacional

A disco music dos anos 70 foi uma das maiores tendências de estilo de vida e comportamento no mundo moderno. Um dos maiores símbolos desta geração foi o filme “Os Embalos de Sábado à Noite” (Saturday Night Fever, 1977) e a trilha sonora deste filme, executada pelos Bee Gees e outros artistas, está entre os 10 álbuns mais vendidos do mundo com aproximadamente 40 milhões de cópias. Se você pensa que esta é a trilha sonora mais vendida no mundo, você errou: 15 anos depois, o filme “O Guarda-costas” (The Bodyguard, 1992) com Kevin Costner e Whitney Houston alcançou a faixa de 44 milhões de cópias vendidas – só no Brasil foram 750 mil cópias. Outras trilhas sonoras de filmes que foram sucesso comercial absoluto foram as dos filmes Dirty Dancing (1987) com 32 milhões de cópias e Titanic (1997) com 30 milhões de cópias – este álbum do Titanic é trilha sonora propriamente dita (músicas incidentais de cenas durante o filme sem vozes) mais vendida no mundo.

 

Trilha sonora de “Os Embalos de Sábado à Noite”

 Trilha sonora de “Dirty Dancing”

Obviamente Capivarock não vai deixar o Rock de fora. Alguns podem se questionar: “qual trilha sonora de Rock será mencionada em Capivarock?”… sou obrigado a enfatizar uma das trilhas sonoras mais espetaculares e inovadoras da história: a do filme “Uma Jogada do Destino” de 1993. Acredito que ele seja mais conhecido pelo seu nome original, que também dá nome ao álbum da trilha sonora: Judgement Night. Estrelado por Emilio Estevez e Cuba Gooding Jr., a ideia de unir artistas de Rock com Rap foi algo genial (iniciado anos antes com Aerosmith/Run DMC e Anthrax/Public Enemy) e deu um diferencial por duplas improváveis desferirem petardos que se mantêm até hoje na lista de clássicos. É impensável imaginar nos dias de hoje uma logística que pudesse equalizar as agendas de tantos artistas relevantes sincronizando com o lançamento do filme. Esta mistura de estilos parece bastante improvável atualmente, fruto do pudor contemporâneo inversamente proporcional à evolução de nossa espécie que cada vez mais regride em certos aspectos com o passar dos anos… Helmet e House of Pain, Faith No More e Boo-Yaa T.R.I.B.E., Living Colour e Run DMC, Biohazard e Onyx, Dinosaur Jr e Del The Funky Homosapien, Pearl Jam e Cypress Hill são algumas das dobradinhas contidas nesta trilha sonora. Um dos momentos mais “tensos” (positivamente falando) é a trinca de covers do The Exploited executada pelo Slayer e Ice-T. A imagem que me vem à cabeça ao ouvir as versões de “War”, “UK ’82”, and “Disorder” com extrema agressividade é de uma galera fazendo um mosh pit dentro de um trem lotado na hora do rush! O filme? Faz anos que não assisto, não lembro direito e sinceramente eu prefiro ouvir a trilha sonora! Outro filme talvez mais famoso por sua trilha sonora do que pela película é o  “Vida de Solteiro” (Singles, 1992) com Matt Dillon e Bridget Fonda como personagens principais cuja trilha sonora se baseava nas bandas de Seattle participantes do movimento chamado “Grunge”. Pearl Jam, Alice in Chains e Mother Love Bone eram algumas dessas bandas e houve participação especial de Stone Gossard e Jeff Ament (Pearl Jam) e Chris Cornell atuando no filme. Ah, menção honrosa ao guitarrista mais famoso de Seattle, que também está na trilha sonora: Jimi Hendrix.

Trilha sonora de “Judgement Night – Uma Jogada do Destino”

Trilha sonora de “Singles – Vida de Solteiro”

Outro filme famoso com trilha sonora de Rock, mas infelizmente marcado pela tragédia, é “O Corvo” (The Crow, 1993). Estrelado por Brandon Lee, o filme ganhou fama pela fatalidade da morte de Lee quando numa cena com o ator Michael Massee a munição inserida num revólver calibre 44 era real ao invés dos projéteis sem pólvora, atingindo Lee no abdômen. A distância do tiro foi de aproximadamente cinco metros e Lee foi levado ao hospital, passou por seis horas de cirurgia mas não resistiu. Ele tinha 28 anos à época e o caso foi considerado como um acidente. Massee ficou um ano sem atuar em filmes por traumas e se recusou a assistir o filme. The Cure, Pantera, Stone Temple Pilots e Nine Inch Nails são alguns destaques desta trilha sonora. Melhorando o clima em relação ao tópico anterior, um filme que tem uma trilha sonora bastante curiosa é o “Escola do Rock” (School of Rock, 2003) estrelado por Jack Black. O filme que mostra crianças de uma escola tradicional tendo aulas com um pseudo professor e músico (parei por aqui para evitar spoilers de quem não assistiu) e o repertório foi todo baseado em músicas bandas atuantes na década de 70 como Ramones, AC/DC, The Who, Led Zeppelin e outras. No filme algumas crianças verdadeiramente cantam e tocam instrumentos, dando uma credibilidade maior à história.

 

 Trilha sonora de “O Corvo”

Trilha sonora de “Escola do Rock”

Preferências e opções são sempre relativas, como há casos de trilhas sonoras que engrandecem os filmes. Imaginem algumas cenas sem nenhuma música de fundo, como seria vazio e monótono? Música sempre faz parte de qualquer aspecto da vida, pois nos dá mais vida e dá mais vida às coisas também! Não se esqueçam de deixar aqui suas sugestões e menções das trilhas sonoras mais marcantes de suas vidas!

Por Fellipe Madureira

Na vitrola: Hüsker Dü – “Zen Arcade” (1984)

2 comentários em “Trilhas Sonoras

  • 10 de novembro de 2017 em 09:15
    Permalink

    Assistir o filme Judgement Night umas duas vezes e na época que eu assisti achei o máximo, já sua trilha sonora escutei pouco, não me pegou quando ouvi. Já o filme Vida de Solteiro foi o contrário, cheguei a assistir o filme, mas não achei grandes coisas, já a trilha sonora ouvi muito, achava foda !
    Uma trilha de filme que me marcou muito foi do filme American Pie, marcada com com muitas bandas de punk pop e outras de rock alternativo, achava muito legal.
    Mas a primeira trilha sonora que eu comprei foi da novela Vale Tudo Internacional, me amarrava !

    Resposta
  • 10 de novembro de 2017 em 10:53
    Permalink

    Me amarro na trilha sonora de “Eu, eu mesmo e Irene”. Quando vejo o filme sempre escuto a trilha sonora. Me remete aos anos 90…é muito bom!
    Gostava de ouvir a trilha sonora de “A Gata comeu” também. Eu via essa novela na época, era muito boa.
    A trilha dos filmes de Matrix também são sensacionais. Tem muito rock (RATM, Robbie Zombie, Marilyn Manson, POD…).

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.